Os Cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador. Ao utilizar os nossos serviços, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.

Em Destaque
Joane

Fulgor da nova Mabera tem o cunho dos trabalhadores

2017-02-06

Economia

Texto:
Isaura Costa

Fotografia de:
António Freitas




Paulo Cunha visitou a Perfil Cromático no âmbito do Roteiro Famalicão Made IN

Aproveitando a capacidade instalada em infraestruturas e tecnologia, mas sobretudo o know-how dos trabalhadores, a Perfil Cromático tomou a Mabera e veio dar uma nova vida a esta que, em anos áureos, chegou a ser uma das maiores fábricas têxteis do país ao nível de acabamentos e tinturaria. Mas foi definhando até encerrar, na primeira metade do ano de 2015, atirando perto de uma centena de colaboradores para o desemprego.

Poucos meses depois do fecho, as imponentes instalações industriais da Mabera, em Joane, voltavam a fervilhar de atividade graças à iniciativa de dois investidores, José Dâmaso Lobo e Afonso Leite, que arrendaram o edifício e alugaram os equipamentos à Mabera. Os detalhes deste processo foram revelados nesta segunda-feira, 6 de fevereiro, durante uma visita do Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão à Perfil Cromático no âmbito do roteiro Famalicão Made IN.

A nova vida da Mabera é também a nova vida dos seus antigos trabalhadores. A Perfil Cromático resgatou do desemprego a grande maioria deles, permitindo-lhes colocar em prática um saber-fazer acumulado ao longo de anos. Em 2016, primeiro ano completo de atividade, a Perfil Cromático registou um volume de faturação de sete milhões de euros, superior às melhores previsões. “O resultado que hoje temos é culpa dos nossos 140 trabalhadores, fonte de inspiração e motivação. As segundas linhas da Mabera transformaram-se em primeiras linhas da Perfil Cromático”. Esta opinião de Nuno Oliveira, diretor-geral da Perfil Cromático e com percurso profissional outrora ligado à Mabera, traduz também o pensamento de José Dâmaso Lobo e Afonso Leite, que com o primeiro comandam os destinos da Perfil Cromático.

Previsões de 10 milhões em 2017

Com metas ambiciosas de crescimento – as previsões para 2017 apontam para um volume de negócios na ordem dos 10 milhões de euros –, o que se refletirá também no reforço do efetivo de colaboradores, a aposta é, claramente, no serviço e na qualidade, como fez questão de salientar José Dâmaso Lobo. A Perfil Cromático produz para marcas europeias de renome (todos os dias chegam à empresa cinquenta toneladas de malha), mas é também uma fornecedora de soluções. No laboratório de investigação e desenvolvimento, que funciona 24 horas por dia, uma equipa busca os melhores resultados que permitam à Perfil Cromático estar na linha da frente e assim conquistar novos clientes.

Desde que iniciou a sua atividade a empresa vem aumentando a faturação de forma contínua. Um dado que reflete sucesso e cuja explicação passa também, e naturalmente, por novos investimentos realizados na modernização do parque de máquinas, possibilitada por uma candidatura já aprovada ao Portugal 2020, que depois de concluída rondará os 3 milhões de euros.

Sustentabilidade ambiental



A sustentabilidade ambiental é outra das marcas da Perfil Cromático. O reaproveitamento da água e da energia calórica no processo produtivo, possível graças aos novos investimentos já realizados, permitem à empresa famalicense capitalizar as oportunidades associadas à economia circular.

Paulo Cunha não escondeu a sua satisfação por ver a Mabera ganhar uma nova vida, numa aposta da Perfil Cromático que, salientou, traduz “a atratividade de Vila Nova de Famalicão para o investimento empresarial”. “É para mim gratificante perceber que estas instalações estão a ser reanimadas, e sobretudo com os mesmos trabalhadores, competentes e resilientes, que estão a fazer pontes com o passado”, argumentou.

De resto, para o Presidente da Câmara, a Perfil Cromático representa mais um contributo para que Famalicão seja cada vez mais notado como o mais relevante eixo da indústria têxtil nacional. “O têxtil no nosso concelho está bem e recomenda-se, produz e exporta cada vez mais. E este é um magnífico exemplo de que é possível que este sector se fortaleça ainda mais”, concluiu.



Joane

Fulgor da nova Mabera tem o cunho dos trabalhadores

2017-02-06

Economia

Texto:
Isaura Costa

Fotografia de:
António Freitas




Paulo Cunha visitou a Perfil Cromático no âmbito do Roteiro Famalicão Made IN

Aproveitando a capacidade instalada em infraestruturas e tecnologia, mas sobretudo o know-how dos trabalhadores, a Perfil Cromático tomou a Mabera e veio dar uma nova vida a esta que, em anos áureos, chegou a ser uma das maiores fábricas têxteis do país ao nível de acabamentos e tinturaria. Mas foi definhando até encerrar, na primeira metade do ano de 2015, atirando perto de uma centena de colaboradores para o desemprego.

Poucos meses depois do fecho, as imponentes instalações industriais da Mabera, em Joane, voltavam a fervilhar de atividade graças à iniciativa de dois investidores, José Dâmaso Lobo e Afonso Leite, que arrendaram o edifício e alugaram os equipamentos à Mabera. Os detalhes deste processo foram revelados nesta segunda-feira, 6 de fevereiro, durante uma visita do Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão à Perfil Cromático no âmbito do roteiro Famalicão Made IN.

A nova vida da Mabera é também a nova vida dos seus antigos trabalhadores. A Perfil Cromático resgatou do desemprego a grande maioria deles, permitindo-lhes colocar em prática um saber-fazer acumulado ao longo de anos. Em 2016, primeiro ano completo de atividade, a Perfil Cromático registou um volume de faturação de sete milhões de euros, superior às melhores previsões. “O resultado que hoje temos é culpa dos nossos 140 trabalhadores, fonte de inspiração e motivação. As segundas linhas da Mabera transformaram-se em primeiras linhas da Perfil Cromático”. Esta opinião de Nuno Oliveira, diretor-geral da Perfil Cromático e com percurso profissional outrora ligado à Mabera, traduz também o pensamento de José Dâmaso Lobo e Afonso Leite, que com o primeiro comandam os destinos da Perfil Cromático.

Previsões de 10 milhões em 2017

Com metas ambiciosas de crescimento – as previsões para 2017 apontam para um volume de negócios na ordem dos 10 milhões de euros –, o que se refletirá também no reforço do efetivo de colaboradores, a aposta é, claramente, no serviço e na qualidade, como fez questão de salientar José Dâmaso Lobo. A Perfil Cromático produz para marcas europeias de renome (todos os dias chegam à empresa cinquenta toneladas de malha), mas é também uma fornecedora de soluções. No laboratório de investigação e desenvolvimento, que funciona 24 horas por dia, uma equipa busca os melhores resultados que permitam à Perfil Cromático estar na linha da frente e assim conquistar novos clientes.

Desde que iniciou a sua atividade a empresa vem aumentando a faturação de forma contínua. Um dado que reflete sucesso e cuja explicação passa também, e naturalmente, por novos investimentos realizados na modernização do parque de máquinas, possibilitada por uma candidatura já aprovada ao Portugal 2020, que depois de concluída rondará os 3 milhões de euros.

Sustentabilidade ambiental



A sustentabilidade ambiental é outra das marcas da Perfil Cromático. O reaproveitamento da água e da energia calórica no processo produtivo, possível graças aos novos investimentos já realizados, permitem à empresa famalicense capitalizar as oportunidades associadas à economia circular.

Paulo Cunha não escondeu a sua satisfação por ver a Mabera ganhar uma nova vida, numa aposta da Perfil Cromático que, salientou, traduz “a atratividade de Vila Nova de Famalicão para o investimento empresarial”. “É para mim gratificante perceber que estas instalações estão a ser reanimadas, e sobretudo com os mesmos trabalhadores, competentes e resilientes, que estão a fazer pontes com o passado”, argumentou.

De resto, para o Presidente da Câmara, a Perfil Cromático representa mais um contributo para que Famalicão seja cada vez mais notado como o mais relevante eixo da indústria têxtil nacional. “O têxtil no nosso concelho está bem e recomenda-se, produz e exporta cada vez mais. E este é um magnífico exemplo de que é possível que este sector se fortaleça ainda mais”, concluiu.