Os Cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador. Ao utilizar os nossos serviços, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.

[Fechar]
Publicidade
Em Destaque
Vila Nova de Famalicão

Noites de verão com música na Praça D. Maria II

2018-07-30

Evento

Texto:
Cristiana Carmo

Fotografia de:
CMVNF




Fado Violado, Maria Quê, The CityZens e The Black Wizards no cartaz deste ano da iniciativa “Verão em Famalicão”

O mês de agosto está ao “virar da esquina” e com ele traz também muita e boa música para ouvir na Praça D. Maria II, uma das mais centrais do concelho de Vila Nova de Famalicão e que por estes dias é local de excelência para um passeio em família.

A proposta é da iniciativa “Verão em Famalicão”, promovida pela Câmara Municipal, que regressa nos fins-de-semana de 10 e 11 e de 17 e 18 de agosto, com quatros sugestões de concertos para animar as noites de verão dos famalicenses.

No primeiro fim-de-semana do evento, atuam na Praça D. Maria II o projeto musical Fado Violado, no dia 10, e Maria Quê, no sábado, dia 11.

Já no seu segundo fim-de-semana, a iniciativa “Verão em Famalicão” dá palco às bandas The Cityzens, na sexta-feira, dia 17, e “The Black Wizards”, no sábado, dia 18.

Todos os concertos começam às 21h30 e são gratuitos.

 

VERÃO EM FAMALICÃO 2018

10,11, 17 E 18 DE AGOSTO

21H30

PRAÇA D. MARIA II

 

FADO VIOLADO | 10 DE AGOSTO | 21H30

Fado Violado, projeto musical português que cruza o fado com o flamenco, nasceu há dez anos em Sevilha pelas mãos de Ana Pinhal e Francisco Almeida. Depois de vários espetáculos ao vivo, em Portugal e no estrangeiro, o grupo está de olhos postos no regresso às gravações com vista ao sucessor de “A Jangada de Pedra” o seu primeiro disco editado em 2015 com produção de Daniel da Silva, que se junta ao grupo em concerto com uma segunda guitarra.

 

MARIA QUÊ | 11 DE AGOSTO | 21H30

Maria Quê, o encontro onde o gosto pelo canto e pela harmonia se cruza com a cultura dos tempos, duas vozes que reinterpretam cantares tradicionais. Das Marias antigas, às Marias de hoje, da recolha ao transporte para os tempos atuais, ficam histórias que ainda são nossas: a lavoura que matou fomes, os amores para sempre, a guerra e a saudade..., por Juliana Ramalho e Catarina Silva.

 

THE CITYZENS | 17 DE AGOSTO | 21H30

Formados em 2014 em Vila Nova de Famalicão, The CityZens é um projeto constituído por Jorge Humberto – guitarra e voz, Luís Ribeiro – baixo e Rui Ferreira – bateria. No 1º ano de existência, a banda lançou um EP homónimo com 3 temas. O álbum, Medicine For Open Minds, foi gravado no AMPstudio. É um disco com 12 temas, mostra a sonoridade marcadamente Rock n´Roll da banda, que passeia ainda por universos Folk Rock psicadélico, Soul Rock e Blues Rock.

THE BLACK WIZARDS | 18 DE AGOSTO | 21H30

Os The Black Wizards, composta por Joana Brito (voz e guitarra), Paulo Ferreira (guitarra), João Mendes (baixo) e Helena Peixoto (bateria), expressam-se através das camadas rockeiras que caracterizaram os 60’s e os 70’s. Em 2015, a edição de Lake of Fire projetou a banda para um estatuto consideravelmente mais elevado. O segundo disco What the Fuzz!, lançado em 2017 é o reflexo de todo o percurso da banda e torna esta uma das mais promissoras bandas do panorama nacional.



Vila Nova de Famalicão

Noites de verão com música na Praça D. Maria II

2018-07-30

Evento

Texto:
Cristiana Carmo

Fotografia de:
CMVNF




Fado Violado, Maria Quê, The CityZens e The Black Wizards no cartaz deste ano da iniciativa “Verão em Famalicão”

O mês de agosto está ao “virar da esquina” e com ele traz também muita e boa música para ouvir na Praça D. Maria II, uma das mais centrais do concelho de Vila Nova de Famalicão e que por estes dias é local de excelência para um passeio em família.

A proposta é da iniciativa “Verão em Famalicão”, promovida pela Câmara Municipal, que regressa nos fins-de-semana de 10 e 11 e de 17 e 18 de agosto, com quatros sugestões de concertos para animar as noites de verão dos famalicenses.

No primeiro fim-de-semana do evento, atuam na Praça D. Maria II o projeto musical Fado Violado, no dia 10, e Maria Quê, no sábado, dia 11.

Já no seu segundo fim-de-semana, a iniciativa “Verão em Famalicão” dá palco às bandas The Cityzens, na sexta-feira, dia 17, e “The Black Wizards”, no sábado, dia 18.

Todos os concertos começam às 21h30 e são gratuitos.

 

VERÃO EM FAMALICÃO 2018

10,11, 17 E 18 DE AGOSTO

21H30

PRAÇA D. MARIA II

 

FADO VIOLADO | 10 DE AGOSTO | 21H30

Fado Violado, projeto musical português que cruza o fado com o flamenco, nasceu há dez anos em Sevilha pelas mãos de Ana Pinhal e Francisco Almeida. Depois de vários espetáculos ao vivo, em Portugal e no estrangeiro, o grupo está de olhos postos no regresso às gravações com vista ao sucessor de “A Jangada de Pedra” o seu primeiro disco editado em 2015 com produção de Daniel da Silva, que se junta ao grupo em concerto com uma segunda guitarra.

 

MARIA QUÊ | 11 DE AGOSTO | 21H30

Maria Quê, o encontro onde o gosto pelo canto e pela harmonia se cruza com a cultura dos tempos, duas vozes que reinterpretam cantares tradicionais. Das Marias antigas, às Marias de hoje, da recolha ao transporte para os tempos atuais, ficam histórias que ainda são nossas: a lavoura que matou fomes, os amores para sempre, a guerra e a saudade..., por Juliana Ramalho e Catarina Silva.

 

THE CITYZENS | 17 DE AGOSTO | 21H30

Formados em 2014 em Vila Nova de Famalicão, The CityZens é um projeto constituído por Jorge Humberto – guitarra e voz, Luís Ribeiro – baixo e Rui Ferreira – bateria. No 1º ano de existência, a banda lançou um EP homónimo com 3 temas. O álbum, Medicine For Open Minds, foi gravado no AMPstudio. É um disco com 12 temas, mostra a sonoridade marcadamente Rock n´Roll da banda, que passeia ainda por universos Folk Rock psicadélico, Soul Rock e Blues Rock.

THE BLACK WIZARDS | 18 DE AGOSTO | 21H30

Os The Black Wizards, composta por Joana Brito (voz e guitarra), Paulo Ferreira (guitarra), João Mendes (baixo) e Helena Peixoto (bateria), expressam-se através das camadas rockeiras que caracterizaram os 60’s e os 70’s. Em 2015, a edição de Lake of Fire projetou a banda para um estatuto consideravelmente mais elevado. O segundo disco What the Fuzz!, lançado em 2017 é o reflexo de todo o percurso da banda e torna esta uma das mais promissoras bandas do panorama nacional.