Os Cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador. Ao utilizar os nossos serviços, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.

Em Destaque
Cavalões

Famalicenses e poveiros já usam Via Ciclo Pedonal

2021-07-15

Atualidade

Texto:
Paulo Silva

Fotografia de:
Famalicão Canal




Via ciclo-pedonal que liga Famalicão à Póvoa de Varzim inaugurada no passado sábado.

A via ciclo-pedonal entre Famalicão e Póvoa de Varzim, construída no antigo ramal ferroviário, foi oficialmente inaugurada este passado sábado, dia 10 de julho, pelas 10h. A inauguração contou com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, que se apresentou equipado a preceito para praticar desporto, acompanhado do Vereador do Empreendedorismo, Augusto Lima. Estiveram também presentes o Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, Aires Pereira, e o Presidente da CCDR-Norte, António Cunha.

Cada um dos autarcas descerrou uma placa junto ao início da ciclovia em cada concelho e encontraram-se, depois, no ponto do percurso que marca a fronteiras entres as duas localidades. Desta forma, as duas cidades estão ligadas por esta via que tem uma extensão total de 27 quilómetros e que está equipada com iluminação pública, sinalética vertical e horizontal, e pavimentada com asfalto e pintura para distinguir os espaços para peões e bicicletas.

Paulo Cunha destacou a “sinergia fácil” que houve entre os dois municípios, sendo que o objetivo era comum. “O ponto de partida sempre foi favorecer a qualidade da via e pô-la ao serviço das pessoas, o mais depressa possível”. Como referiu ainda, esta era uma via “muito importante para a população, que é indutora de modos de vida diferentes, para melhor, daqueles que existiam no passado. E por outro lado é também uma boa utilização de um canal que outrora teve outra função muito relevante para este território”.

O autarca Aires Pereira levantou a questão da segurança da ciclovia e do bom senso necessário para a utilização do espaço. “A via tem tráfego exclusivo a bicicletas e a pedonais. Não é permitido tráfego mecânico, e em alguns pontos temos sido confrontados com violações dessa postura, nomeadamente por acesso aos campos agrícolas”. A fiscalização será intensificada, mas na opinião do autarca, esta problemática “resolve-se com bom senso e com as pessoas saberem que não podem efetivamente utilizar a via para outro fim que não seja aquele que a sinalização no início de cada troço determina”.

António Cunha, Presidente da CCDR-Norte realçou também a articulação que foi necessária para concluir este projeto, que já era há muito ambicionado: “O papel que aqui importa realçar é o dos dois municípios que fizeram um projeto conjunto, mas que decorre naturalmente das suas estratégias e daquilo que é a sua visão para o território”.

De recordar que esta obra teve um custo de cerca de 4 milhões e 300 mil euros e beneficiou de um cofinanciamento FEDER no âmbito do Programa Operacional Norte 2020, no valor de mais de 3 milhões e meio de euros.



Cavalões

Famalicenses e poveiros já usam Via Ciclo Pedonal

2021-07-15

Atualidade

Texto:
Paulo Silva

Fotografia de:
Famalicão Canal




Via ciclo-pedonal que liga Famalicão à Póvoa de Varzim inaugurada no passado sábado.

A via ciclo-pedonal entre Famalicão e Póvoa de Varzim, construída no antigo ramal ferroviário, foi oficialmente inaugurada este passado sábado, dia 10 de julho, pelas 10h. A inauguração contou com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, que se apresentou equipado a preceito para praticar desporto, acompanhado do Vereador do Empreendedorismo, Augusto Lima. Estiveram também presentes o Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, Aires Pereira, e o Presidente da CCDR-Norte, António Cunha.

Cada um dos autarcas descerrou uma placa junto ao início da ciclovia em cada concelho e encontraram-se, depois, no ponto do percurso que marca a fronteiras entres as duas localidades. Desta forma, as duas cidades estão ligadas por esta via que tem uma extensão total de 27 quilómetros e que está equipada com iluminação pública, sinalética vertical e horizontal, e pavimentada com asfalto e pintura para distinguir os espaços para peões e bicicletas.

Paulo Cunha destacou a “sinergia fácil” que houve entre os dois municípios, sendo que o objetivo era comum. “O ponto de partida sempre foi favorecer a qualidade da via e pô-la ao serviço das pessoas, o mais depressa possível”. Como referiu ainda, esta era uma via “muito importante para a população, que é indutora de modos de vida diferentes, para melhor, daqueles que existiam no passado. E por outro lado é também uma boa utilização de um canal que outrora teve outra função muito relevante para este território”.

O autarca Aires Pereira levantou a questão da segurança da ciclovia e do bom senso necessário para a utilização do espaço. “A via tem tráfego exclusivo a bicicletas e a pedonais. Não é permitido tráfego mecânico, e em alguns pontos temos sido confrontados com violações dessa postura, nomeadamente por acesso aos campos agrícolas”. A fiscalização será intensificada, mas na opinião do autarca, esta problemática “resolve-se com bom senso e com as pessoas saberem que não podem efetivamente utilizar a via para outro fim que não seja aquele que a sinalização no início de cada troço determina”.

António Cunha, Presidente da CCDR-Norte realçou também a articulação que foi necessária para concluir este projeto, que já era há muito ambicionado: “O papel que aqui importa realçar é o dos dois municípios que fizeram um projeto conjunto, mas que decorre naturalmente das suas estratégias e daquilo que é a sua visão para o território”.

De recordar que esta obra teve um custo de cerca de 4 milhões e 300 mil euros e beneficiou de um cofinanciamento FEDER no âmbito do Programa Operacional Norte 2020, no valor de mais de 3 milhões e meio de euros.